Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP Mp3

Baixar Música Trincheira #Elassim - Drik Barbosa e Slam das Minas SP Mp3
    Música

Nome da Música: Trincheira #Elassim
Artista: Drik Barbosa e Slam das Minas SP
Gênero: Rap
Lançamento: 2018

Arquivo

Formato: Mp3
Qualidade: 320 Kbps
Tamanho: 16 Mb


 


Baixar Música Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP Mp3 Direto no Celular Grátis

Baixar Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP Mp3 grátis. Ouça, faça o download e aprenda a letra da música Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP grátis.


Letra: Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP

(Luz Ribeiro)
Carrego a palavra “Patuá”
Como quem anseia sorte
Coloco ela à frente pra ter rumo
Norte

A mesma vira escudo, adaga
Revide, morada
É tipo ter um corpo feito de água salgada
Se equilibrar nas próprias ondas
Que teme tudo e não teme nada
É aprender com o mar a retroceder e atacar

Relembrar e saudar quem veio antes
Angela, Conceição, Carolina, Maria e Clementina
Sementes, buquês espertirina
Compor poesia combustão
Pra dar base aos pés e força nas mãos

Decorar dialetos em yoruba
Cantar cantigas para Odoya
E se preciso for
Fazer poemas mandingas
Pra se auto resguardar

Escrever para garantir o pão de cada dia
Pedir benção pra quem já garantiu o pão
Rezar pela cria que tá na barriga
São simples os caminhos
Da palavra proteção

(Todas)
Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

(Mel Duarte)
Planto sementes de fala pra crescer raiz palavra
Reconheci essa força que me sustenta de forma sagrada
Fiz da escrita minha espada mais afiada
Mastiguei o verbo e te entreguei como oferenda numa bandeja de prata

Navego verso livre na folha
Quando o pensamento algema
Deixo a correnteza fluir
E transbordo poema

Me deram a caneta e eu escrevi
Com o microfone não foi diferente
Hoje registro a história que vivo aqui
Pra evocar a memória de meus antecedentes

Ouvi o chamado dos ventos
Ouvi o chamado dos ventos
Guardei um trovão no peito como talismã
E escrevi meus próprios enredos
Sob as bênçãos de minha mãe Iansã

(Pam Araújo)
Girassóis quando início poema
A sombra não me cabe. Escrevo pra pincelar minha alma com outro tema
Já escrevi sobre buraco e tecidos da vida.
O livro que me livra- espada de São Jorge na entrada é mandinga. Que hoje brota e diz:
É poesia no toco pra encher o oco.
A palavra me transborda a boca e escorre até os meus pés e enlaça tudo o que sou
Das águas do meu Ori a terra do meu sol.
Ora Yê Yé Ô no papel
O que seriam das minhas mãos sem o mergulho da caneta
Para as que passaram e para as que virão
Escrevo para estalos de espetáculos que fora outrora silenciados.
Me fiz poeta pra dar um bote nesse mundo. Agora articulada e dona das minhas próprias palavras

(Todas)
Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

(Jade Quebra)
Chama, chama, chama, chama, chama
Cheguei!
Prazer escritora
Autodidata, geneticamente avançada
Vigiando e sendo guardada
Leoa da selva jamais enjaulada

Na contra mão das linguagem
Eu to lixando se os boy num entendeu
“Criptogragiria”
Num codifico
Esse é o mistério da quebra
Mosco o cabelo avuô

Cês me limita em letramento
Onde a escola é treinamento
De quem aguenta por mais tempo
O não pertencimento

Quando falar não foi uma opção,
Escrever foi salvação
A palavra é proteção da nossa história
E reconhecimento, antes não tinha autoestima
Hoje folgada, vivona e viveno
Bem colocada, armada de informação
Cada pedaço meu é letra de funk e inspiração

Palavra é palavra, memo no sentido amplo
Não só conto, rima, verso ou prosa
Proteção como palavra
É pedir bênção pra sua vó
Salve dona Rosa
Salve!

(Carolina Peixoto)
Filha da cachoeira
Cria da cidade de concreto
Falo alto, falo fino, falo mesmo
Quando poemo, sinto

Costurar palavras
É arte de peito exposto,
Pulsando o eco da gente

O oco do meu sexo
Não define o eu pessoa.
Silêncio não é palavra feminina

A voz tem força
Que a boca desconhece
Pensamentos versam e guiamo caminhar
Poesia oração
É alimento e armadura.
As letras que me vestem
Rabiscam a fé que me ergue

Mulher é bicho-gente
Que sangra e que sonha
Eu lírica, sou grande

(Drik Barbosa)
Minhas rimas são refúgio
Dever me chama
Tudo em chamas, noiz é salvação
Chama!
Somos coragem que inflama
Língua Franca, palavra é proteção e manta

Poesia que eleva, sou flor que liberta
Me visto de amor, enfrento mundo
Causo mudança de hábito
Bem Lauryn Hill, na caneta ganho o mundo

Minha fala é tática que muda estatísticas
Que nos fazem vítimas
To tocando mais corações que cardiologista
Minha fala é legítima

Visto preto por dentro e por fora, bóra
Serena na quadra, marcando pontos
Ritmo e poesia conto minha história
Missão de curar toda vez que canto

(Todas)
Chama!
Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

Revide proteção
Escrita viva é munição
Mulher, palavra pro mundo
É quem dá direção

É quem da direção
É quem da direção
É quem da direção
É quem da direção

OUVIR MÚSICA: Trincheira #Elassim – Drik Barbosa e Slam das Minas SP VIDEOCLIPE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixar Musicas Para Celular - Baixar Músicas Grátis © 2016
Musicas Para Celular - Baixe Musicas Diretamente do seu Celular, Tablet e Computador, Baixar Musicas Grátis, Palco MP3, Download Musicas.
Baixar Musicas Para Celular